fbpx

O que é a linguagem Kotlin? Entenda agora!

8 minutos para ler

Você já ouviu falar na linguagem Kotlin? Nos últimos anos, temos visto uma grande evolução nas linguagens de programação, com o objetivo de gerar produtividade aos programadores e melhorar a construção de código.

Conforme a tecnologia avança e temos novos problemas com os quais lidar, determinadas ferramentas acabam ficando um tanto quanto ultrapassadas, e é preciso buscar por novas alternativas que tragam mais possibilidades de uso.

O Kotlin é um dessas alternativas que vem ganhando cada vez mais força no mercado, sendo uma ótima opção para quem está começando a se aventurar no mundo da programação, assim como quem já tem um bom caminho percorrido. Vamos discorrer mais sobre essa tecnologia a seguir. Boa leitura!

O que é a linguagem Kotlin

Antes de falarmos um pouco mais a fundo acerca desse assunto, precisamos entender do que ele se trata. O Kotlin é uma linguagem de programação criada pela JetBrains, de tipagem estática e concisa, voltada para o desenvolvimento de aplicações nativas e web.

Essa linguagem foi criada em 2010, por Andrey Breslav, dentro da JetBrains, tendo sua primeira versão estável lançada em 2016, sendo assim anunciada como linguagem oficial para desenvolvimento Android em 2017 pelo Google.

A JetBrains é uma empresa muito conhecida pelos desenvolvedores de software, já que é responsável pela criação de várias IDEs, plataformas de desenvolvimento, de sucesso como, por exemplo, PyCharm, PHPStorm e IntelliJ.

O Kotlin é completamente open source, pode ser aplicado em multiplataforma e multi paradigma. Além disso, mesmo que tenha uma forte ligação com o Java, devido a sua interoperabilidade com a JVM. Além dessa relação com o Java o Kotlin também foi influenciado por outras linguagens, como por exemplo, C#, Scala e Groovy.

Quais as principais características do Kotlin?

Kotlin para desenvolvimento Android

A principal ideia dos criadores do Kotlin era que essa fosse uma linguagem totalmente voltada para as demandas do mercado e completamente interoperável com o Java, dessa forma garantindo a continuidade das aplicações escritas com essa ferramenta. Veja quais são as principais características do Kotlin.

Expressiva

Uma das principais vantagens do uso do Kotlin é a redução da verbosidade, diminuindo a necessidade de escrita de código.

Essa é uma linguagem muito expressiva, permitindo escrever mais, com menos código. Um simples Hello World em Java seria assim:

Por outro lado, ao utilizar o Kotlin, teríamos um código muito mais enxuto:

Em ambos os exemplos o resultado é o mesmo, a diferença é a quantidade de código a ser escrito.

Segura

O Kotlin realiza a validação de valores nulos dentro da aplicação em tempo de compilação, evitando, assim, que algum tipo de erro possa acontecer durante a execução do código e resulte em uma exceção que prejudique o uso do sistema criado.

Funcional

A linguagem Kotlin foi criada com um paradigma de orientação a objetos, não como uma ferramenta para programação funcional.

No entanto, como outras linguagens modernas, ela permite que se use de conceitos de programação funcional para a resolução de problemas simples, como, por exemplo, as funções lambda, comuns no JavaScript.

Funções de Extensão

As funções de extensão nos permitem estender qualquer classe dentro do sistema, adicionando novos recursos e modificando suas características, mesmo sem ter acesso ao código fonte daquela classe. Por exemplo:

Acima, estamos pegando a classe String, interna da linguagem, e criando uma função adicional para ela.

Depois disso, quando utilizarmos a classe, basta chamar a função adicionada. Portanto, ao utilizar esse tipo de recurso temos várias possibilidades para o desenvolvimento de aplicações.

Interoperável

Por fim, uma das características mais incríveis do Kotlin é a sua interoperabilidade com o Java, o que nos permite continuar usando boa parte dos códigos já escritos nessa linguagem, além de bibliotecas e frameworks que já possuem um alto grau de maturidade.

A interoperabilidade é tão grande e funciona tão bem, que é possível manter projetos mistos com as duas linguagens coexistindo dentro de uma única aplicação.

Quem utiliza Kotlin?

Você pode ter conhecido o Kotlin devido ao anúncio do Google em 2017, no qual a empresa oficializou o suporte da linguagem para a plataforma Android, com o lançamento do Android Studio 3.0, que conta com um compilador Kotlin.

No entanto, várias outras empresas já estão adotando a tecnologia para o desenvolvimento de suas aplicações. Entre os principais exemplos que podemos destacar estão:

  • Amazon;
  • Pinterest;
  • Trello;
  • Capital One;
  • Netflix;
  • Coursera;
  • Foursquare;
  • Basecamp;
  • Uber;
  • JetBrains.

Em quais plataformas Kotlin pode ser utilizado ? 

Um dos objetivos da linguagem Kotlin na visão da Jetbrains é funcionar em todas as plataformas, porém compartilhando código quando possível. Por isso, há um grande esforço para que a linguagem possa compilar e interagir com os mais variados ambientes e ferramentas utilizados em diversas áreas, contextos e plataformas diferentes.

Plataformas em que é possível utilizar o Kotlin:

  • Java Virtual Machine (JVM) — utilizando a infraestrutura do Java. Este é o ambiente utilizado pela linguagem principalmente para o desenvolvimento Android. Entretanto, é a também a estratégia utilizada no desenvolvimento de aplicações back-end no lado do servidor e também na integração de algumas ferramentas importantes de Data Science, dentre elas o conhecido Jupyter.
  • Javascript Engines — Podemos transpilar o código Kotlin para JavaScript (ECMAScript 5.1), e então executá-lo nos motores JavaScript. Dessa forma, o objetivo principal desta abordagem é rodar código javascript no lado do cliente em navegadores.
  • Low Level Virtual Machine (LLVM) — A LLVM é uma infraestrutura criada para construir, otimizar e produzir binários ou código de máquina nativos de maneira agnóstica a arquitetura. Por isso é muito utilizada no processo de compilação de várias linguagens, transformando o código Kotlin em código nativo, o que torna possível produzir binários para mais variadas plataformas e até embarcados. Podendo ser aplicada em aplicações Windows, MacOS, Linux, Mobile (ioS e watchOS), além de poder ser utilizado para gerar códigos para web através do WebAssembly.

Mesmo com as possibilidades citadas, a natureza experimental de alguns exemplos citados e o fato de serem relativamente menos difundidas, hoje é  mais comum vermos o Kotlin sendo compilado e executado para JVM, por isso a sua íntima ligação com o Java fez com que fosse amplamente adotada nesse contexto, principalmente no desenvolvimento de aplicações Android.

Quais as suas principais aplicações

É claro que quando falamos em Kotlin, a primeira aplicação que vem à mente é, com certeza, o desenvolvimento de aplicações mobile para Android. Ela é a terceira linguagem oficial suportada pela plataforma Android, junto com Java e C++.

No entanto, a linguagem criada pela JetBrains vai além disso. Assim como o Java, ela pode ser utilizada para o desenvolvimento de aplicações para a web, fazendo uso de frameworks já consagrados como Hibernate e Spring, sendo aplicado no back-end tranquilamente. 

Existe também a possibilidade de se integrar a linguagem com frameworks web, como por exemplo, o React  para o desenvolvimento front end web.  Além disso, outra possibilidade é a utilização da linguagem no contexto de Data Science integrada com ferramentas amplamente utilizadas nesta área (Jupyter e Zeppelin).

Apesar dessa versatilidade da linguagem, hoje em sua maioria as aplicações do Kotlin no mercado giram em torno das aplicações Android. Seguindo essa tendência do mercado a maioria das oportunidades tende a estar ligada a essa área, por isso se você tem desejo de trabalhar com Kotlin é bem provável que se depare com oportunidades nesse contexto,

Como entrar nessa área

Caso você esteja interessado em começar uma carreira em programação Kotlin, é preciso focar na prática para poder entender e aprender todas as características gerais dessa linguagem.

Além disso, A construção de um portfólio, que demonstre todas as suas habilidades como programador e o domínio da linguagem, também é muito importante.

O ideal é buscar um curso com conteúdo sempre atualizado e prático, que permita que você construa esse portfólio ao mesmo tempo em que pratica todo o aprendizado adquirido durante as aulas.

Aqui, no Code Dojo, temos um curso totalmente voltado para o desenvolvimento prático das habilidades de um desenvolvedor Android, onde também os fundamentos e habilidades necessárias para se dominar o Kotlin são passados, através de um conteúdo totalmente atualizado e uma equipe de profissionais especializados.

Ficou curioso? Entre em nosso site e saiba mais!

Posts relacionados

Deixe um comentário